4ª Edição Encontros para Além da História
Encontros para Além da História 2015
Encontros para Além da História 2015
Encontros para Além da História 2015
 Inicio | Anterior | Pag.30/52  | Próxima | Última
4ª Edição dos Encontros para Além da História
Luta ca Caba Inda - Um Arquivo em Relação


Curadores Filipa César e Tobias Hering

A 4ª Edição dos Encontros para Além da História toma o seu título de empréstimo de um filme inacabado guardado num arquivo em Bissau. Luta ca caba inda foi concebido como um documentário sobre a condição pós-independência da Guiné-Bissau, mas foi abandonado durante o processo de edição em 1980. No entanto, ele é testemunho de uma década de uma prática cinematográfica, coletiva e internacionalmente conectada, como parte da luta pela independência do colonialismo português (1963-1974) e a consequente construção da nação.

Os fragmentos remanescentes dessa prática, arquivados no Instituto Nacional de Cinema e Audiovisual (INCA) em Bissau – filmes acabados e inacabados, gravações de áudio e cópias de filmes doados por países que apoiaram a luta –, tornam-se agora uma arqueologia cinematográfica. Em 2012, em colaboração com os cineastas guineenses Sana na N'Hada, Flora Gomes e Suleimane Biai e com o suporte institucional do Arsenal – Instituto de Filme e Vídeo Arte (Berlim), a artista Filipa César e o curador Tobias Hering embarcaram num projeto a longo prazo com o objetivo de re-acessar esse arquivo. O seu estado peculiar, suspenso entre deterioração e work-in-progress, ativa questões sobre promessas passadas e sua pertinência contemporânea. No andamento do projeto Luta ca caba inda, uma série de eventos discursivos e projeções abertas ao público foram dedicadas à ativação das potências desse arquivo.

“Encontros além da História: Luta ca caba inda – Um arquivo em relação” reúne artistas, escritores e investigadores, cujo trabalho contribuiu para delinear um campo crítico que permite abordar esses documentos sob as condições pós-coloniais atuais. Esta conferência internacional colocará uma seleção de imagens e sons do arquivo em relação com as práticas artísticas e críticas dos participantes, no intuito de explorar as radiações geopolíticas e imaginários caleidoscópicos do arquivo.

Os curadores propõem três noções para intercetar o arquivo e orientar os debates: geografias, materialidades e forças – tudo no plural, por causa da multiplicidade dos seus significados neste contexto.

Geografias propõe localizar o arquivo no (agora marginalizado e quase internacionalmente isolado) país da África ocidental, Guiné-Bissau, enquanto que ao mesmo tempo presta atenção a indicadores geopolíticos do arquivo sugerindo conexões, às vezes substanciais, às vezes efémeras, com o Senegal, Cuba, Argélia, Tanzânia, Alemanha Oriental, a República da Guiné-Conacri, a União Soviética, Angola, Portugal, China, Índia, Roménia, Suécia e outros lugares. A noção de geografia deve focar o que Édouard Glissant cunhou como "relações", caminhos de trocas que nunca foram de sentido único e cujo significado é raramente inequívoco. Outra faceta da noção de geografia é a presença latente de ideias do líder do movimento de libertação Amílcar Cabral, cujo sucesso como estratega de guerrilha foi profundamente informado pela sua experiência como agrónomo.

Materialidades refere-se ao estado material dos componentes do arquivo e aos desafios teóricos e práticos colocados por ele. O filme de celulóide, no seu estado de decadência, os traços de produção precária e a sua subsequente negligência fazem emergir estéticas específicas do arquivo criando, por exemplo, imagens fragmentadas ou de múltiplas camadas lidas como traços de uma trajetória institucional, política e histórica. O síndrome do vinagre – a doença dos filmes. A materialidade do arquivo, as condições físicas do filme como matéria em decomposição, determina um tipo de processo arqueológico enquanto que, simultaneamente, sugere a necessidade de adotar uma certa política para os consequentes procedimentos inerentes à digitalização, restauro e revisão.

Forças destina-se a deslocar a perspetiva para os aspetos imateriais e latentes do arquivo: a promessa inscrita no material e o seu projeto de emancipação, a supressão colonial, a resistência, o desejo de libertação, o empático ou estratégico gesto de solidariedade e a nova produção de subjetividades. As ideias de Estado, nação, lei, independência e constituição tomam forma em representações e rituais em frente à câmara. A articulação do medo, luta e educação. A Arma da Teoria (Cabral). A latência do animismo. A potência da prática coletiva de assistir a filmes juntos. O sónico. O rádio.

Participantes

Jean-Pierre Bekolo (cineasta, Yaoundé)
Sonia Borges (historiadora, candidata a PhD Lisboa, Berlin)
Wladimir de Brito (advogado, Guimarães)
Anselm Franke (curador, diretor artístico HKW, Berlin)
Nuno Faria (curador, diretor artístico CIAJG, Guimarães, Lisboa)
Louis Henderson (artista, Paris, Londres)
Grada Kilomba (psicóloga, escritora, artista, Berlin)
Catarina Laranjeiro (cineasta, historiadora, candidata a PhD, Lisboa, Berlin)
Patricia Leal (artista e cineasta, Lisboa)
Olivier Marboeuf (curador, produtor, diretor artístico Khiasma, Paris)
Sana na N'Hada (cineasta, Bissau)
Yonamine (artista, Berlin)
Ala Younis (curador e artista, Amman)

O evento é falado em inglês.

Programa

10 Dec

18.00
Nuno Faria
Abertura

Filipa César, Tobias Hering
Introdução: Materialidades

19.00
Filme
O regresso de Amílcar Cabral, 1976 (GB, SE)
dir. Sana na N'Hada

11 Dec

10.00
Tobias Hering
Introdução: Geografias

10.30
Olivier Marboeuf
An ecology of darkness: Performative transmission of political archives, between secret, shield and trickery.

11.30
Patricia Leal
Casa dos Estudantes do Império: An unexpected antechamber of the African liberation movements

13.00 Paragem para almoço

14.30
Jean-Pierre Bekolo
Cutting the nimbus of "unedited footage"

15.30
Louis Henderson
Compost in the Créole Garden: The Archive as a Multispecies Assemblage 

16.30 Coffee Break

17.00
Wladimir de Brito
Film as evidence?

18.00
Debate de encerramento Dia 1

19.00
Filme
Fanado, 1984 (GB)
dir. Sana na N'Hada

Dec 12

10.00
Filipa César
Introdução: Forças

10.30
Anselm Franke
The Frontiers of Modernity Enrol its Others: Thoughts on Epistemology and Emancipation

11.30
Sónia Vaz Borges
Nós vamos construir - We are going to build

13.00 Paragem para almoço

14.30
Grada Kilomba
Decolonizing Knowledge

15.30
Ala Younis
Duplications and contradictions in the past of a temporal universe

16.30 Coffee break

17.00
Catarina Laranjeiro
African commandos: The inability to look at the past

18.00
Yonamine
Pretoforma-se

19.00
Debate de encerramento Dia 2


Inscrição gratuita até ao limite da lotação da sala. A inscrição poderá ser efetuada no CIAJG - Centro Internacional das Artes José de Guimarães ou descarregue aqui o formulário e submeta por email para encontrosparaalemdahistoria@aoficina.pt.

Para mais informações, contacte-nos através do telefone 253 424 715 ou do e-mail encontrosparaalemdahistoria@aoficina.pt