Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
Caminhos de Floresta
 Inicio | Anterior | Pag.35/64  | Próxima | Última
Caminhos de Floresta
Sobre Arte, Técnica e Natureza

Com Alberto Carneiro, Celeste Cerqueira, Filipe Feijão, Franklim Vilas Boas, Ilda David, Maria Capelo, Musa paradisiaca + Tomé Coelho, Reis Valdrez
Curadoria: Nuno Faria

Para o filósofo alemão Martin Heidegger, de cuja obra o título desta exposição é pedido de empréstimo, a produção artística é uma forma de posicionamento do homem perante a natureza. Perguntamos aqui o que significa produzir arte. Enquanto modo específico de produção, a arte produz o quê? Estando na orla, nas margens, na confluência do mundo industrializado com o mundo natural, na obra de arte “ganha forma o próprio acontecimento da clareira do ser”. Uma forma de esclarecimento. De onde vimos, quem somos, para onde vamos? Talvez a arte trilhe um caminho que não leva a parte nenhuma; um caminho de floresta feito para nos perdemos e, na diversidade da natureza, nos reencontrarmos com a origem e os fundamentos do humano. Esta exposição reúne, assim, um conjunto de aproximações e de diálogos com uma certa ideia de natureza, enquanto tematização do diverso, daquilo que nos é estranho, e de como a podemos vir a traduzir, a compreender e a habitar.