Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
Constelação Cutileiro
 Inicio | Anterior | Pag.4/73  | Próxima | Última
Constelação Cutileiro
20 outubro 2018 a 10 fevereiro 2019

João Cutileiro é, indiscutivelmente, um dos mais singulares artistas portugueses do século XX. Excessivo, jubiloso, generoso, o seu trabalho marcou decisivamente a paisagem artística e cultural em Portugal a partir do final dos anos 1950 e início dos anos 1960.
A presente exposição ensaia uma espécie de cartografia celeste da geometria das relações, afetos e interações de que Cutileiro, espécie de astro solar, foi o ponto referencial e o campo magnético dessa energia.
Constelação Cutileiro lança um olhar sobre a produção inicial do autor, entre Évora, Londres e Lagos, integrando escultura, desenho e fotografia. É, na sua maioria, composta por peças de João Cutileiro colocadas em diálogo com obras de outros autores, mais velhos, da mesma geração ou de gerações posteriores, que com ele conviveram e privaram, reunidas numa lógica conotativa de forças e não de formas.
Assim escolhemos obras de uma ampla constelação de artistas como Júlio Pomar, António Charrua, Lourdes Castro, José Escada, Manuel Rosa, José Pedro Croft e Rui Chafes – algumas da coleção do próprio Cutileiro – como os belíssimos retratos do artista por Lourdes Castro e Charrua; os desenhos de nu por Manuel Rosa ou José Pedro Croft, realizados em residência no atelier de Cutileiro em sessões de trabalho coletivas no final dos anos 1970, princípio de 1980; outras gravitando em diferentes órbitas – como as peças escultóricas de Manuel Rosa, José Pedro Croft e Rui Chafes, cujos ecos processuais apontam afinidades evidentes ou surpreendentes.
Trabalhando com materiais como o cimento fundido, o bronze, o ferro soldado, o gesso ou o mármore corroído com ácido, por exemplo, João Cutileiro abriu um modo novo de encarar a prática escultórica em Portugal, baseada numa abordagem performativa, iminentemente matérica, oscilando entre forma e informe, remetendo para motivos ou arquétipos da história ou da pré-história da escultura, num diálogo entre épocas e geografias diversas.
As vénus do Paleolítico, a arte egípcia ou etrusca, Giacometti, Pompeia, a tradição da arte funerária ou a influência do surrealismo, marcam na obra do jovem artista uma prática extraordinariamente heteróclita, em que a radicalidade no uso dos materiais convive com uma inusitada audácia formal e estilística.


Curadoria Nuno Faria e Filipa Oliveira