Cosmic, Sonic, Animistic | Coleção permanente e outras obras
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
Cosmic, Sonic, Animistic
 Inicio | Anterior | Pag.19/64  | Próxima | Última
Cosmic, Sonic, Animistic
Coleção Permanente e Outras Obras

14 outubro 2017 a 04 fevereiro 2018

A coleção permanente, como convencionámos chamar ao conjunto de obras que colocamos em diálogo no piso superior do CIAJG, abre um espaço de pluralidade que nos convoca a todos, espetadores, a interrogar e a reinventar as noções que nos foram transmitidas pelos manuais de história da arte. A cada ano, renovamos o mote para esse diálogo e em cada nova montagem ensaiamos novas relações, trazemos novos artistas, repensamos os nexos, as atrações e as oposições entre objetos e imagens que aqui se encontram vindos de lugares e tempos díspares. Esse movimento, simultaneamente excêntrico e centrífugo, mimetiza o mecanismo da espiral e põe o acento, não tanto na proximidade formal que possa existir entre os objetos, mas sobretudo nas ressonâncias, na energia que a convivência entre esses objetos pode gerar. Estamos em pleno campo do visível, mas, neste lugar, falamos sobretudo das relações invisíveis entre as coisas materiais, a forma como os objetos atravessam o tempo e espaço, como guardam uma energia e uma memória próprias. Neste contexto, mostramos a Instalação do Museu de Luanda, importante exposição que José de Guimarães realiza em Angola em 1968 e que reúne um conjunto de obras seminais no percurso do artista, bem como um conjunto de objetos em madeira pintados e de pinturas que o artista realizou também durante o período em que viveu e trabalhou nesse país africano. Na sala 3, também chamada “As Magias”, fazemos conviver o impressivo conjunto de máscaras africanas com uma seleção de registos sonoros recolhidos na importante “Missão de Pesquisas Folclóricas” que, em 1938, com idealização do escritor brasileiro Mário de Andrade, uma equipa chefiada pelo engenheiro e arquiteto Luís Saia conduziu no Norte e Nordeste do Brasil, em torno de manifestações ritualísticas populares de dança e música. No Gabinete de Desenho, uma sala dedicada a diferentes declinações e morfologias do desenho, estará também patente uma extensão da primeira edição da BIG - Bienal de Ilustração de Guimarães, com a exposição dedicada ao Prémio Carreira, este ano atribuído ao conceituado ilustrador Luís Filipe de Abreu, com curadoria de Jorge Silva.

Obras de José de Guimarães, Vasco Araújo, f.marquespenteado, Ernesto de Sousa, Franklin Vilas Boas, Rosa Ramalho, Jaroslaw Fliciński, Rui Chafes, Missão de Pesquisas Folclóricas de Mário de Andrade
Arte Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Antiga Chinesa da Coleção de José de Guimarães