Vasco Araújo · Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
Vasco Araújo Demasiado pouco, demasiado tarde
 Inicio | Anterior | Pag.31/47  | Próxima | Última
Vasco Araújo: Demasiado pouco, demasiado tarde

Curadoria Nuno Faria

O trabalho de Vasco Araújo (Lisboa, 1975) tem incidido de forma sistemática sobre a história do colonialismo europeu e sobre os seus efeitos tragicamente duradouros, do ponto de vista das dinâmicas relacionais de poder e de submissão entre homens de lugares e culturas diferentes. Após décadas de silenciamento, o período colonial tem sido objeto de um escrutínio crítico abrangente e consistente, com origem na academia mas também no campo das artes ou da literatura. Contudo, em Portugal, aquilo que terá mudado com a presente geração, que surgiu na década de 70 e depois, é um interesse que tem origem em inquietações também de ordem biográfica, que se ancora em vivências pessoais e que reage a um ensurdecedor silêncio e a uma prolongada amnésia que marcaram e ainda marcam a memória desse período que tantos traumas deixou por tratar. De facto, aquilo que torna particular a investigação do artista em torno desta temática é o seu interesse nas relações domésticas, íntimas, não confessadas, entre-muros, à volta da mesa e na cama - relações tanto mais problemáticas, e consequentemente difíceis de circunscrever, quanto difusas, turvas, que misturam o exercício de poder, de controlo e de domínio com uma tessitura de relações humanas, de ordem afetiva ou sexual. O artista traz para o seu terreno de investigação ferramentas e dados usados e recolhidos por outras disciplinas, tais como a história, a antropologia, a sociologia, para construir narrativas que se materializam em vídeo, escultura, pintura e fotografia. A exposição, produzida especificamente para o CIAJG, cruza diversas fontes, visuais ou de texto, recorre à história oral ou de proximidade, à literatura, ao património visual, da pintura de história à história da fotografia. Vasco Araújo constrói um discurso plural, sobrepõe planos de representação, o texto à imagem - não tem pudor no uso das palavras, das imagens ou dos objetos, faz-nos confrontar, por excesso e por defeito, com as nossas escolhas, as omissões, a preguiça da linguagem que usamos no quotidiano, com anos de auto-censura, com o adiamento de um exame de consciência, a sós, perante nós próprios. Afinal, a história do colonialismo implica-nos, fazemos parte dela por herança, de memória, porque ouvimos falar, porque a vivemos ainda no dia-a-dia, por imperativo ético. Com a exposição individual de Vasco Araújo, Demasiado pouco, demasiado tarde, o CIAJG continua e aprofunda a sua vocação de perscrutar e revisitar, sob um ponto de vista simultaneamente poético e crítico, empático e distanciado, as tensões, os desejos, os afetos ou as angústias que os objetos corporizam e transportam e aquilo que revelam dos homens e da história que construímos.


"O Centro Internacional das Artes José de Guimarães, na cidade berço, está a apresentar um novo ciclo de exposições, com mostras de Vasco Araújo e uma outra precisamente do artista que dá nome à instituição. Grande parte das obras de ambos os artistas, são inéditas." in SIC Notícias