Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
Francisco Janes | We have everything and we have nothing
 Inicio | Anterior | Pag.49/73  | Próxima | Última
Francisco Janes
We have everything and we have nothing
27 de fevereiro a 03 de julho

Francisco Janes é um artista português formado no Ar.Co, em Lisboa e na Call Arts, em Los Angeles, e que atualmente vive em Vilnius, Lituânia. O trabalho que desenvolve integra o filme, a fotografia e o som para abordar sítios particulares construídos por mão de homem onde os ciclos da natureza e a ressonância do cosmos se confundem com os rituais humanos de celebração do lugar.
Nesta exposição, cujo misterioso título é tomado de empréstimo de um poema de Charles Bukowski, apresenta-nos sobretudo dois lugares singulares – Gojus e Orvidu, ambos na Lituânia. Gojus é um lugar isolado onde um casal edificou a própria casa e onde construiu um modo de vida autónomo e insular, apartado dos ritmos da cidade e civilização. Janes filmou o ritmo pausado, marcado pelo ciclo das estações, os gestos, os rituais, as marcas deixadas na paisagem, num tempo-espaço alongado, marcado pelo trabalho manual e a prática espiritual.
Orvidu Sodyba, que em lituano significa “O jardim de Orvidu”, é, no imaginário coletivo, um lugar mítico na natureza, profusamente filmado por vários artistas e cineastas. O autor toma aqui uma perspetiva diferente – filma as ruínas como cristalização “de uma certa ideia de refúgio e a absurda materialização da sua presença e abandono”.
De uma certa forma, estamos perante dois lugares magnéticos, em articulação com os elementos naturais, que emergem como projeções de um modo utópico (e por isso político) de conceber a existência humana – uma esperançosa e a outra desencantada -, para lá de qualquer forma de controlo ou de submissão. “Temos tudo e não temos nada”, para citar o poema.