João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
João Grama | A idade do perigo
 Inicio | Anterior | Pag.48/73  | Próxima | Última
João Grama | A idade do perigo
27 de fevereiro a 03 de julho

Na exposição “A Idade do Perigo”, João Grama, artista formado no Ar.Co e que atualmente estuda fotografia na Academia de Artes Visuais de Leipzig, na Alemanha, sistematiza uma interrogação sobre a aproximação entre as entidades humana e animal, relação arcaica e repleta de estranheza, alteridade e reconhecimento.
Focando a atenção na figura da armadilha, enquanto artifício que propicia o encontro, João Grama demanda paisagens e lugares longínquos, no mar ou na montanha, no litoral ou no interior, para refletir sobre a temporalidade e a metafísica da existência.
A exposição, cujo principal campo de exploração é a paisagem, está simbólica e fisicamente dividida em duas partes: a montanha e o mar. Na primeira, a figura do lobo, símbolo profundo do aspeto selvagem da natureza, espelho invertido do homem, o seu grande inimigo, está omnipresente apesar de ser jamais visível. É esta a metáfora que o artista nos propõe – a imagem, enquanto emanação ou reflexo do conhecimento, esconde-se sempre nos intervalos e nos interstícios, convive de perto com o invisível, projeta-nos no desconhecido de nós mesmos. Assim, João Grama faz conviver dois olhares sobre as estruturas mentais e físicas construídas em torno do lobo - o saber científico, aqui simbolizado pela figura do biólogo, fundado numa rigorosa observação e recolha de dados concretos, e o saber popular, fundado nas edificações que o homem desenhou e levantou, como os fojos que fotografou na sequência de inumeráveis viagens e caminhadas pela Serra do Gerês.
Uma imensa abstração, contudo bem real, física e implacável, o mar tem sido um território amplamente tematizado como um lugar de invenção da linguagem – nomear para conhecer. Também aqui a imagem torna concreto e material esse sentido de imensidão, a perder de vista, que o mar convoca. Também aqui as práticas humanas surgem intimamente ligadas à experiência da aprendizagem – a natureza como alteridades e como construção cultural.