José de Guimarães - Da Dobra e do Corte | Maquetas e Obras em Cartão
 Inicio | Anterior | Pag.2/70  | Próxima | Última
José de Guimarães | Da Dobra e do Corte
Maquetas e Obras em Cartão
20 outubro 2018 a 10 fevereiro 2019


O CIAJG tem vindo a mostrar segmentos, por vezes extensos, do trabalho de José de Guimarães pouco ou nada conhecidos do grande público e mesmo do público especializado. Depois de Provas de Contacto (2014) onde se mostrava um conjunto de obras feitas através de processos de transferência da imagem (técnicas de gravura, stencil, etc.) e Pintura: Suites monumentais e algumas variações (2015), em que se procedia a uma revisão de várias fases do percurso em pintura do autor, organizamos, agora, Da dobra e do corte que reúne cerca de 170 peças, inéditas na sua maioria.
Reúne-se um extenso grupo de esculturas em pequena escala, feitas em cartão e em papel – que, até hoje, permaneceram inéditas no atelier de José de Guimarães –, em diálogo com um notável e desconcertante conjunto de desenhos realizados sobre os mais diversos suportes e nas mais diversas técnicas.
Trata-se de uma mostra que apresenta trabalho irredutivelmente experimental e processual, em que é notória a forma como a inteligência da mão se articula com uma total liberdade da imaginação, numa fluidez formal admirável. De facto, o autor parece mais uma vez ter construído um alfabeto de formas em materiais pobres, abstratas ou geométricas na sua grande maioria, figurativas em menor número.
Com ou sem finalidade imediata, algumas das peças serviram como maquetas para trabalhos de escala pública, outras funcionaram como primeira abordagem a uma determinada configuração formal e outras, ainda, surgem como peças cuja escala é autossuficiente, não carecendo de ser ampliada.
São peças que na origem estão próximas do gesto matricial do desenho, entendido enquanto projeto, mas que parecem também ter origem numa compulsão do fazer, entre o esquecimento do gesto e a memória do corpo.

Inauguração do 3º Ciclo Expositivo de 2018 do CIAJG
Sábado 20 outubro, 18h00


Curadoria Nuno Faria